Selinho

Selinho

21 de dezembro de 2011

É quase Natal!



É quase Natal, você já fez sua lista de presentes?
Montou sua árvore de Natal?
Quais são os presentes que vão constar na sua árvore, como está enfeitada?
Na minha árvore coloquei muitas bolas de amor vermelhas, um amor colorido alegre, cheio de vida! 
Também busquei algumas bolas verdes responsáveis em prover a esperança, algumas azuis responsáveis em nos lembrar que o Espírito Santo deve estar presente na festa, algumas douradas, para lembrar que fantasia e magia são convidados especiais da noite, coloquei também bolas cor de rosa para abrigar os sonhos de 2012. 
Ah e os meus presentes: meu amor, minha compreensão, meu desejo de tentar fazer feliz minha família, meus amigos e todos que fizeram parte deste ano, muito especial e também muito feliz. 
Após muita tempestade me sinto renovada pela esperança do menino que vai nascer. 
Que venha Jesus, meu coração te espera!

17 de dezembro de 2011

Se isso não é amor o que mais pode ser?


Fiquei esperando a inspiração chegar para iniciar este post, pensei:
- Afinal o que eu ainda não disse do meu marido e dos meus filhos?
Já revelei neste espaço todo o meu amor pelo meu Amor.
Já fui coruja diversas vezes de meus filhotes.
O que dizer então por ocasião da festa de minhas bodas de prata que ainda não foi dito?
Penso então que tenho só que agradecer a Deus a graça de ter encontrado essa pessoa especial que junto comigo formou uma linda família. Uma família unida que se ama e se respeita. Talvez alguém pergunte:
- Foi fácil?
Então será a oportunidade para responder que:
- Naaaaaaaão! Ter uma família, não é tarefa fácil, ter um amor que pretenda ser para a vida inteira, também dá um trabalho danado.
Não é assim que de repente as coisas acontecem, para que aconteçam é preciso dedicação, um pouco de sorte e uma dose irrestrita de bom humor.
Penso que talvez o segredo mais importante de qualquer relação seja o bom humor.
Já tentaram conviver com quem não tem humor? É tarefa das mais difíceis. Para mim é tarefa impossível.
Talvez essa seja a qualidade mais especial do Marcelo, ele sempre acha graça na desgraça e isso torna a nossa vida muito mais leve. Entre outras qualidades que não convém revelar, para não valorizar o seu passe (kkkkk), penso que esta seja a mais relevante e talvez a única que eu ainda não tenha revelado.
A foto acima é do nosso noivado,  com ela,  nossos filhos fizeram um quadro enorme para nos presentear.
Ahhhn! Não contei que "casei de novo", com direito a vestido novo, novas alianças e com os filhos entrando na igreja junto conosco. Foi uma cerimônia emocionante.
Nossos filhos fizeram a animação da missa e daí teve uma hora que as lágrimas começaram a rolar pelo meu rosto e logo em seguida a pular de dentro de mim, eu não conseguia parar de chorar, mas não era um choro ruim, era um choro de gratidão, um choro de agradecimento a Deus por me permitir estar vivendo aquele momento.
Enfim foi tudo muito lindo, durante a cerimônia renovamos o sacramento, fizemos de novo promessas de amor e fidelidade, tudo para aguentar mais 25 anos, se Deus permitir.
Agora me digam:
Se isso não é amor o que mais pode ser?
Estou aprendendo também!

1 de dezembro de 2011

Orgulho de mim mesma e vontade de viver


Hoje quero partilhar este sentimento de paz interior que tenho experimentado. Ontem fiz aniversário de término da quimioterapia e passado um ano do fim de um pesadelo me sinto em paz comigo mesma.
Me sinto em paz fisicamente,Claro tenho cicatrizes, mas estas não são mais "feridas abertas", são cicatrizes e vão permanecer comigo no corpo e na alma e não tem como apagar.
Durante este tempo que vivi sob um outro estado de vida, tive muitos momentos dolorosos, momentos em que eu achava que minha vida nunca mais retornaria ao que era antes da doença.
Realmente eu tinha razão minha vida se modificou e muito, mas para melhor. eu mudei muitas coisas nela, rompi com algumas convenções, passei a me escutar mais e a viver de acordo com aquilo que me agrada. Fiz novas alianças também, renovei votos, reconstruí meu corpo, reconstruí minha alma.
Quando olho hoje a minha vida sinto orgulho de mim mesma, orgulho por não ter usado a doença para ganhar amor, este veio e continuou comigo, apesar da doença.
Sinto-me forte quando me vejo cheia de projetos pessoais e com gás para realizá-los. Hoje já prefiro ser anônima da doença, ela não mais me identifica, só em alguns momentos, já não a revelo a muitas pessoas, enfim passou. Só revelo quando vejo que a minha vida servirá de incentivo, de força para alguém que está passando por uma crise e muitas vezes não consegue enxergar a luz no fim do túnel. Pois eu digo:  a luz existe, na verdade, muita luz, um sol nos espera no fim do túnel.
Hoje meus dias são de sol, são iluminados pela minha fé, pela minha crença que venci, não tudo ainda, mas uma parte importante da minha existência.
Há em mim uma enorme vontade de viver e celebrar a vida e os meus amores. Estou em estado de celebração, em contagem regressiva às festas que se aproximam e que me enchem de alegria. Tenho pela frente as bodas de prata, o Natal, o Ano Novo e o meu Aniversário, ocasiões que buscarei celebrar com muita alegria e rodeada pelas pessoas que me são importantes. Tenho amigos da primeira e de última hora, todos fazem parte da minha história. que um dia chegará ao fim e quando isso acontecer espero poder dizer  a frase de São Paulo:
"Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé".