Selinho

Selinho

30 de junho de 2011

Palco da vida

Compartilhando Fernando Pessoa


Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não se esqueça de que sua vida é a maior empresa do mundo. E você pode evitar que ela vá à falência.

Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você. Gostaria que você sempre se lembrasse de que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem desilusões.

Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza. Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos. Não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples, que mora dentro de cada um de nós. É ter maturidade para falar "eu errei". É ter ousadia para dizer "me perdoe". É ter sensibilidade para expressar "eu preciso de você”. É ter capacidade de dizer "eu te amo". É ter humildade da receptividade.

Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidades para você ser feliz... E, quando você errar o caminho, recomece, pois assim você descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.

Usar as perdas para refinar a paciência.
Usar as falhas para lapidar o prazer.
Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Jamais desista de si mesmo.
Jamais desista das pessoas que você ama.
Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo imperdível, ainda que se apresentem dezenas de fatores a demonstrarem o contrário.

Pedras no caminho? Guardo todas... Um dia vou construir um castelo!

Fernando Pessoa

17 de junho de 2011

Sem lenço e sem documento



Depois de algum tempo sem postar nada hoje me deu vontade de contar minhas últimas aventuras.
Estou super bem, totalmente cicatrizada da reconstrução da mama e satisfeita com o resultado, terei que fazer depois (não sei quando ainda) a simetrização com a outra mama e a colocação do bico. Pois é um dos seios é "caolho", mas mesmo assim estou muito feliz, porque agora tenho volume, estou "turbinada". O dr. Leonardo Dalo, meu cirurgião está também bastante satisfeito com o resultado, realmente o resultado da mama se aproxima a um procedimento de cirurgia plástica de mama e não de uma reconstrução.
Isso me motivou a retomar a academia, também comecei a cuidar de verdade a alimentação e o cuidado da minha saúde. A atividade física e a alimentação são pontos importantes do tratamento. Sim continuo o tratamento por cinco anos, mas essa mudança de hábitos devo ter para o resto da vida.
Estou em "férias" até o final do ano, me dei um tempo para repensar minha vida profissional e o que eu gosto de fazer e aí a surpresa, eu que me acho tão previsível me vejo agora uma metamorfose ambulante, tal qual o Raul Seixas descreveu.Na profissão que eu tinha, tudo me apaixonava, realmente eu tinha uma relação de paixão com o trabalho, e paixão a gente sabe se não dura pouco vira doença e no meu caso virou, não foi o câncer que veio por causa do trabalho, sabemos que as coisas não são tão simples, mas a minha obsessão não era em nada saudável. Hoje vejo que perdi algumas coisas importantes do convívio da minha família e que graças a Deus é possível recomeçar de novo, fazendo diferente desta vez. Tenho o desafio de encarar uma vida mais simples, com menos gastos, o que não é fácil para quem já foi totalmente independente e em alguns momentos foi a maior renda familiar. Mas acredito que Deus provê o que precisamos, sempre foi assim na minha vida. Não estou desistindo de trabalhar apenas estou me dando um tempo com menos obrigações, acho que mereço uma folga, uma vida mais light, uma vez que sempre fui muito comprometida com todas as minhas tarefas independente de serem profissionais ou pessoais, já disse isso aqui, mas acredito mesmo na máxima do Capitão Nascimento: "Missão dada é missão cumprida". Agora estou de folga das "missões", estou curtindo temporariamente esse tempo sem compromisso, quase sem "lenço e sem documento". O QUE ISSO CAUSA NAS PESSOAS? DESCONFIANÇA. Muito engraçado, os filhos chegam e me encontram tricotando, de verdade, fazendo mantas, polainas e perguntam:
- Aí mãe só no tricozinho?
Tenho vontade de rir, mas aguento firme, eles precisam descobrir que é assim mesmo, somos flexíveis e precisamos se-lo, quem não se flexibiliza se quebra. Antes eu era a última a chegar em casa, agora já estou em casa quando chegam. Era muito ocupada, tinha tanto a fazer, não tinha muito tempo para desperdiçar, assuntos: todos muito sérios, falar de novela nem pensar. Descobri que as futilidades também são importantes. Agora... todo o tempo do mundo me pertence, e dentro dele tudo cabe, e isso é muito bom.

10 de junho de 2011

Eduardo e Mônica O filme ( OFICIAL )


Parabéns pelo Dia dos Namorados, linda história para quem viveu a adolescência na década de 80.