Selinho

Selinho

3 de novembro de 2010

Cuidar, Sorrir, Respeitar, Amar, Assumir


Olá terminou outubro e eu sigo tentando conjugar os verbos mais importantes para desenvolver o auto cuidado.
Começo então com cuidar, quase um lema de vida, para quem de certa forma, sempre foi uma cuidadora: mãe, tia, dinda, educadora, filha, neta, diretora, todas essas situações me colocam em situações de cuidado que executo mesmo agora quando sou eu a primeira que precisa ser cuidada. Acho esse aprendizado fantástico: perceber que para poder cuidar bem de outros, preciso primeiro cuidar de mim. Descobri o que significa: " amar ao próximo como a ti mesma", é precisa amar-se, para amar com qualidade.
Para sempre me cuidarei para cuidar de mim, engraçado, né?
Sorrir é o que eu mais faço, mesmo em situações limite, nunca deixei de sorrir, faz parte da minha decisão de ser feliz apesar das circunstâncias. Sorrir até da própria desgraça, deixa a vida mais leve, deixa a desgraça, quase com graça.
Respeitar o tempo, respeitar o tempo do meu corpo, mesmo agora que eu preciso de 28 dias ao invés de 21; respeitar e aceitar os próprios limites. Respeitar a vida que pulsa em mim. Respeitar quem me rodeia, não usando a doença para se achar no direito de  desrespeitar. Na verdade não usar nada, nem mesmo a morte, para causar o que quer que seja no outro: culpa, remorso, isso pode ser muito cruel. Sei que tenho conseguido respeitar a minha doença, e não fazer dela nenhum "troféu", por mais que isso às vezes possa me tentar. A maioria das pessoas adora consolar uma vítima e eu escolhi dentro desta situação, ser protagonista, mesmo que isso em alguns momentos me deixe solitária.
Espero misericórdia, somente isso, respeito pelo momento em que estou vivendo, respeito e reciprocidade.
Amar tudo que me acontece, do mais difícil ao mais maravilhoso momento, esse é o meu lema, nem sempre consigo, às vezes quero chutar o balde, fugir para bem longe, mandar uma meia dúzia para bem longe...
Daí me lembro que não é isso que Deus espera de mim e que nenhum orgulho paga o momento final que será somente entre mim e ELE. Quero ser reconhecida como uma boa filha neste mundo tão vil em que vivemos. Será que é utopia? Pretensão? Ilusão? Não sei, mas a consciência de viver de acordo com o que eu acredito, com a verdade que escolhi para minha vida, é coisa mais importante do momento.
Amar também cada vez mais minha família: meu marido, meus filhos, meus pais, minha vó,  meus amigos, dar e receber muito amor!
A partir desse amor, assumir um compromisso comigo mesma de me cuidar, de sorrir, de respeitar e de amar até  quando Deus me permitir viver; viver de forma muito intensa, sem aceitar mediocridades, viver uma vida que valha apena ser vivida, que valha a pena ser lembrada, que valha a pena ser eterna.
Eu assumo o compromisso e assino embaixo, com o aval de Deus, porque sem ele, sei que nada posso, ou posso muito pouco.

Um comentário:

  1. O verbo AMAR, resume tudo:
    Esse amor que tú fala que tem por todos, pode ter certeza que todos que te rodeiam e convivem contigo tem em dobro por tí, porque tú és uma pessoa que irradia e contagia as pessoas em sua volta.
    Te amo muito, Marcelo.

    ResponderExcluir