Selinho

Selinho

8 de novembro de 2010

Chegou a fadiga ...



Achei, sinceramente, que ela não viria desta vez.
 Passei muito bem, na última sessão, mas desde ontem à tarde ela veio me fazer companhia; a tal da fadiga.
O enjoo também veio, mas para ele há remédio.
Por isso só peço, para passar essa moleza e ficar bem.
Logo passa, mais um dia dois no máximo.
Me valho então da poesia, achei esta de um poeta português, que explica meu momento:

Fadiga

Aquela cabeça perdida que faz
O toque entorpecido de todos os dedos

A voz presa no cortiço de uma língua
Joelhos prostrados a invalidez do sentado
Olhos que so se mostram na sua mingua

Pés de gente feitos em pés de vento
Corpo renasce!Pensa!Que vida é alento!
Eduardo Franco

2 comentários:

  1. Lú,
    o Pequeno Príncipe em seu livro:
    " Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante"!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Antoine de Saint-Exupéry

    Aguenta firme. amiga, cultiva este tempo que sabes ser, as vezes implacável, mas no outro dia se torna mais ameno!
    Estou contigo!
    Beijão no coração.
    Vera

    ResponderExcluir