Selinho

Selinho

3 de outubro de 2010

Quando os filhos cuidam das mães

Hoje é o aniversário do meu filho caçula: o Gustavo.
Ele está fazendo 15 anos e a gente sabe que esta data é carregada de significados.
Embora a infância dele tenha ficado para trás há uns dois anos, ele está se tornando um homenzinho, já tem suas responsabilidades e as cumpre com muita responsabilidade, aliás, como os outros dois irmãos dele.
Quero aproveitar a data para falar e agradecer aos meus três e maravilhosos filhos: Raphael, Fellipe e Gustavo. Maravilhosos porque são meus e como mãe a gente tende a minimizar os defeitos. São filhos normais: brigam, amam, erram; mas agora neste momento da minha vida, eles: Raphael, Fellipe e Gustavo, tem uma importância redobrada, pois eu que cuidei deles tão bem (sou modesta viram?), agora preciso ser cuidada também por eles. É um revezamento quatro por quatro, junto com o meu marido. Não... um só não dá conta do recado! O lance, como eles dizem é punk demais, sinistro demais e precisa de que mais pessoas se envolvam na questão.
Envolvimento é tudo o que eles tem me dado, envolvimento afetivo, envolvimento de tempo, envolvimento de escuta, envolvimento de carinho.
Hoje estou bem porque não fiz a quimioterapia. Mas estavam todos a postos no final de semana para o revezamento, a missão: não me deixar sozinha, nestes momentos em que estou mais necessitada de ajuda.
Daí, parei para pensar em como os anos passam depressa e de como de menininhos arteiros se transformaram em homens responsáveis, muito rapidamente. Acho que curti tudo. Mas fica sempre um gosto desconhecido e uma dúvida será que saboreei o momento desta infância deles que jamais voltará. Uma vez li uma mensagem que dizia que os pais vão ficando órfãos dos filhos, pois eles crescem e partem.
Hoje estou filha dos meus filhos em muitos momentos. o que ficou para trás na infância pode ser resgatado agora, antes que se mudem e assumam suas vidas de adultos.
Obrigada por me darem uma parte importante de vocês no momento em que mais preciso.
Amo cada um com o mesmo amor, mas de jeitos diferentes e formas de expressar diferentes.
São a produção da minha vida que mais me orgulho, carregam em si muito de mim e muito do pai deles.
Os filhos são os nossos fragmentos de eternidade, são a expressão maior de um amor que nunca acaba, pois enquanto houver descendentes o amor se perpetua. Por isso o amor se torna para sempre...
Que Deus abençõe cada um de vocês.

3 comentários:

  1. Recebi de meus filhos um grande beijo, pela postagem de hoje!
    Filhos são um tesouro...

    ResponderExcluir
  2. parabéns, eu achei lindo que Deus continue lhe dando forças.

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho certeza que com relação aos nossos filhos nós acertamos mais do que erramos, porque hoje vimos adultos responsáveis, carinhosos e com certeza com relação a nos cuidar, isto é por causa do exemplo que demos a eles, relacionado ao cuidado e respeito que temos com os nossos pais e avós. Bjus
    Marcelo

    ResponderExcluir