Selinho

Selinho

13 de abril de 2009

UM DIA VOCÊ APRENDE QUE...

William Shakespeare

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se, que companhia nem sempre significa segurança, e começa a aprender que beijos não são contratos, e que presentes não são promessas.
Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança; aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo, e aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam...
Aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais, e descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida; aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida, e que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que eles mudam; percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve compará-los com os outros, mas com o melhor que se pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde se está indo, mas se você não sabe para onde está indo qualquer lugar serve.
Aprende que ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se; aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou; aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha; aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens; poucas coisas são tão humilhantes... e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando se está com raiva se tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém; algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás, portanto, plante seu jardim e decore sua alma ao invés de esperar que alguém lhe traga flores, e você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
Descobre que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar.

UFA!!! SE VOCÊ LEU ATÉ O FIM VALEU A PENA, NÉ?!

30 de março de 2009

Poesia numa hora dessas?



"Tudo vale a pena, quando a alma não é pequena."
"Para ser grande sê inteiro, nada teu exagera ou exclui..."

Fernando Pessoa


Fere de leve a frase... E esquece... Nada
Convém que se repita...
Só em linguagem amorosa agrada
A mesma coisa cem mil vezes dita.


DAS UTOPIAS

Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos se não fora
A mágica presença das estrelas!

POEMINHO DO CONTRA
Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!


BILHETE

Se tu me amas,
ama-me baixinho.

Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.

Deixa em paz a mim!

Se me queres,
enfim,

.....tem de ser bem devagarinho,
.....amada,

.....que a vida é breve,
.....e o amor
.....mais breve ainda.

Mario Quintana


AMO FERNANDO PESSOA, AMO MARIO QUINTANA!

A POESIA SÓ FAZ SENTIDO PARA QUEM AMA, QUEM NUNCA AMOU, NÃO ENTENDE A LINGUAGEM POÉTICA.

29 de março de 2009

Nada de controle...


Talvez a coisa mais difícil na minha vida, seja aceitar que não posso controlar o que está a minha volta. Diariamente me pego, querendo impor a minha vontade, à vida. E acreditem não é nada de muito complexo, o que desejo controlar, é o dia a dia mesmo.
Mas mesmo o dia, é sem controle. As pessoas nascem, morrem, ficam felizes, ficam tristes, celebram, se fecham e não há nada que possamos fazer.
Sexta-feira última, fez seis meses do falecimento do Nono, ele morreu mesmo, e eu não pude fazer nada para mudar isso. Morreu de acidente de carro, apesar de eu ter tentado aconselhá-lo várias vezes para que não abusasse da velocidade.
Eu falava...
Às vezes brigava, e no que deu? Não pude fazer nada.
Pelo menos não foi por falta de aviso, nem de amor.
Mas se eu soubesse que ele iria morrer, não de qualquer jeito, mas desta morte, não teria perdido tempo, brigando e tentando impor a minha vontade, teria abraçado mais ele, teria conversado mais sobre coisas sem importância e teria talvez guardado mais lembranças da simples presença dele.
Por isso vou decidir estar apenas disponível sem querer controlar.
Vou ser um bom ouvido e vou esquecer que tenho boca, se me perguntarem darei minha opinião ressaltando que é apenas uma percepção e não uma verdade absoluta.
A partir de hoje nada de verdades absolutas e certezas demolidoras, apenas tentarei ser acolhimento e aceitação.
Vai ser difícil mas creio que vou me sentir mais perto das pessoas e de Deus.

24 de março de 2009

Santa Rita de Cássia


Hoje iniciamos a preparação para a festa que homenageia a padroeira do nosso bairro:
Santa Rita de Cássia.
Na reunião realizada na paróquia foi lembrado que cada um que estava ali, tinha algo em sintonia com Santa Rita, e é verdade! Lembrei da minha própria história, aí vai...
A minha relação com Santa Rita, começou muito cedo, sei que meu pai sempre teve muita devoção a essa Santa. Aos seis anos de idade eu era uma criança de saúde frágil que já havia tido todas as "ites" imagináveis, inclusive, uma das mais temidas: meningite. E foi com essa idade, para pagar a promessa de uma tia avó, que pediu a intercessão de Santa Rita para a minha cura, que eu vesti uma roupa de Santa Rita e acompanhei a procissão, que saia de Ipanema em direção ao Santuário no Guarujá, como ocorre até hoje. Da ocasião me lembro pouco, sei que fiz uma parte do percurso no colo de alguém e me foi contado que eu estava com febre no dia. Porém não esqueci do resultado, até hoje recorro a intercessão de Santa Rita. Curiosidade ou não acabei vindo morar no Guarujá, me casei nesta igreja, batizei meus três filhos também lá e participo da comunidade. Espero ainda comemorar muito neste querido Santuário.
Desde já estamos em espírito de preparação para a festa que reune pessoas de diferentes lugares, que vem para pedir graças e muitas para agradecer, ouvimos testemunhos de milagres e curas que nos servem de incentivo para seguirmos as nossas vidas acreditando que sim milagres existem!

4 de março de 2009

I belive in miracles

Legal esta frase em inglês, é o título de uma música, de um rock pesado do Ramones, o refrão é o seguinte:

"Eu costumava estar numa busca sem fim
Acredite em milagres, pois eu sou um
Eu fui abençoado com o poder de sobreviver
E, após todos esses anos, eu ainda estou vivo..."

Eu acredito em milagres e você?
Eu acredito que os milagres acontecem todos os dias, basta que queiramos vê-los.
Às vezes contra todas as probalidades e estatísiticas, você sobrevive, você continua casado há mais de 20 anos e ainda está apaixonada, você continua feliz, você continua vivendo...
Embora haja crise você prospera...
Você pode sofrer, porém continua sendo milagre, pois se está sofrendo é sinal de que está vivo...
Será milagre?
Creio que sim.
O milagre acontece no instante em que você decide, não se render as estatísticas, as probalidades e resolve encarar os problemas como protagonista e se livra do papel de vítima das circunstâncias.
Acredite em milagres e aceite ser abençoado!
Boa semana!

16 de fevereiro de 2009

O homem que amava as gaivotas...

O homem que amava as gaivotas...
E porque elas pararam de brincar com ele...
Uma estória sobre a futilidade de ir atrás de felicidade...


Era uma vez um homem que vivia na praia e amava as gaivotas. Todas as manhãs ele descia até o mar para passear com as gaivotas. E mais centenas de pássaros vinham brincar com ele. Um dia seu pai lhe disse: “Eu ouço as gaivotas ao seu redor. Passeando com você – traga algumas para brincar comigo.” No dia seguinte, quando ele foi até o mar, as gaivotas dançavam acima dele... e não desceram.


O maior segredo da vida – e lembre-se disto sempre – é que a vida é uma dádiva. Em primeiro lugar você não a mereceu. Não é um direito seu. Ela foi lhe dada, você não a mereceu. Quando você compreender isso, muitas coisas ficarão claras.
Se a vida é uma dádiva, então tudo que pertence a vida é uma dádiva. Felicidade, amor, meditação – tudo o que é belo também é uma dádiva do sagrado do todo.
Você pode ser feliz, mas não existe nada que garanta isso como um direito seu. Se você pensa que é um direito seu, continua sem alcançá-lo, porque desde o começo está olhando na direção errada.
Porque é assim, porque a vida é uma dádiva, tudo o que pertence e é intrínseco a ela será uma dádiva também. Você pode ser receptivo a ela, pode se entregar a ela, aguardando, paciente; mas não pode exigir, não pode forçar.
O que você faz quando quer dormir? Não faz nada, simplesmente espera, num estado de espírito relaxado. Simplesmente deixa que o sono venha - não pode forçá-lo. Não pode exigir, não pode dizer: “venha sono, venha”!
Quando você procura demais, acaba se fechando; a própria tensão da procura e da busca o fecha. Quando você deseja demais, o próprio desejo se torna um estado tão tenso que a felicidade não consegue penetrar em você. A felicidade penetra em você do mesmo modo que o sono quando você se desliga, quando se entrega, quando simplesmente espera, eles vêm.
Na verdade dizer que eles vêm não é certo eles já estão lá. Num ato de entrega você os vê e sente, porque está relaxado. No relaxamento você se torna muito sensível – e a felicidade é a coisa mais sutil possível, a mais sutil, a verdadeira nata da vida, a essência. Quando você está relaxado, numa entrega total, não fazendo nada, não indo a lugar algum, sendo não como uma flecha, mas sim como um arco, relaxado, sem tensão – ela aparece.
A felicidade sempre esteve perto de você, mas você não estava lá. Você estava pensando em algum lugar do futuro: - tenho que alcançar um alvo, conquistar a felicidade, praticar o contentamento. Você estava no futuro e a felicidade estava bem aqui ao seu redor com a fragrância de uma flor.
Sinta mais, pense menos, e aos poucos você verá que, quanto mais sente, mais relaxado você fica. Quanto mais você sente, mais ciente se torna do segredo da vida: estar disponível.

“Era uma vez um homem que amava as gaivotas...”

O amor é o verdadeiro centro de todos os sentimentos; o amor é a alma de todos os sentimentos. Todos os sentimentos dependem do amor.
Se você ama todos os sentimentos aparecem: raiva e ódio também fazem parte do amor. Quando você ama, fica feliz, mas também fica triste.
Dizem que alguém pediu a Santo Agostinho: “diga-me numa frase simples, a mensagem total de Cristo, porque eu sou um homem ignorante e não consigo entender as sutilezas da teologia”. Dizem que Santo Agostinho fechou os olhos e meditou; em seguida disse: então só há uma coisa a fazer – ame e tudo o mais será conseqüência.
Extraído do livro: O homem que amava as gaivotas – Osho.
Estamos dividindo um pouco com vocês a riqueza deste capítulo e queremos fazer algumas reflexões:

Quem são as minhas gaivotas?
O que eu faço desperta em mim amor?
Amo as crianças?
Amo o que eu faço?
Amo a minha criança interior?
Penso na felicidade?
Para mim a felicidade é...

7 de fevereiro de 2009

Eu quero ser poderosa e você?

Início de 2009, fevereiro, estamos ainda planejando o ano, uma vez que parece que vai começar de fato após o carnaval. Dá tempo ainda de pensar o que queremos para 2009. Eu já sei que quero me tornar “poderosa” e “invencível”. Quero ser invencível para o desânimo, a inveja, o mau humor, a falta de solidariedade. Neste ano o meu foco está em descobrir e usar o poder feminino que em mim reside.
Sei que o momento é de se olhar e descobrir a força que tenho e colocá-la a disposição dos outros, pois quem acha que ser poderosa é ser onipotente e infalível, está enganada, uma mulher de força sabe que é preciso dar o melhor de si a todos, que é preciso perceber que os erros fazem parte da vida e são oportunidades maravilhosas de amadurecimento e crescimento.
Cada existência é única e, por isso, não existe um só poder. “poderosa é a mulher genuína, aquela que exerce seu estilo de vida e deixa aflorar os seus dons e sua força criativa”, define a psicóloga Lucia Rosenberg. Uma mulher de força descobre quais são os poderes que possui e os utiliza para comandar o seu destino.
Acredito que já conheço alguns dos meus “poderes” especiais, mas encontrei algumas dicas que me ajudaram e podem ajudar quem quer ter um ano cheio de conquistas:
• Invista no auto-conhecimento: quem se conhece bem aproveita melhor os recursos internos e respeita os próprios limites. Assim consegue definir prioridades e traçar objetivos viáveis.
• Invista nos relacionamentos: Ninguém é uma ilha, todas precisamos às vezes de um colo ou de um ombro amigo, nestes casos pedir às vezes é mais difícil que dar. Reveja seus conceitos, não acredite que ser poderosa é não depender de ninguém. A mulher forte conhece sua fragilidade.
• Não se leve tão a sério: Perdoar-se pelas próprias mancadas e aprender a rir delas é fundamental. O paradoxo é que quanto mais poderosa você for, menos precisará ostentar sua força. Não perca energia com isso. Seja humilde e saiba perdoar também quem está a sua volta. O ressentimento é a causa de muitas doenças psicológicas e até mesmo físicas.
• Abra-se para o novo: experimentar programas diferentes, descobrir um hobby inusitado, viajar, ler, estudar, são exemplos de atividades que ampliam os horizontes. Sem contar que podem ser uma fonte de prazer enorme.
• Descubra o poder que reside no seu olhar, saiba que ele comunica: acolhe, cuida, atende, olhe nos olhos olhe e veja. Podemos ficar cegos diante das maravilhas que a nossa vida oferece.
• Viva o presente: colha o dia, viva como uma rosa que acabou de desabrochar, pois em breve todas nós iremos “murchar”, não percamos o instante mágico que o dia de hoje nos oferece.
• Não perca tempo cultivando maus sentimentos e mágoas a vida é um longo caminho e às vezes parece que se anda em círculos (voltamos ao mesmo ponto), portanto seja benevolente com os erros dos outros, amanhã você poderá precisar desta mesma benevolência.
• Conheça seus medos e enfrente pelo menos um por dia. Saiba que uma mulher poderosa é aquela que consegue dominar os seus medos.
• Tenha fé, este é o maior poder de todos, pois quando estamos conectados com Deus descobrimos que tudo nesta vida é uma passagem e como tal passará... Uma mulher que tem fé sabe que durante a jornada encontrará em um ser maior a força que a tornará poderosa.

Algumas frases poderosas:

“O ideal está em ti, porém o obstáculo para o seu cumprimento também está em ti.”
Thomas Carlyle
“Humildade para ter coragem de se colocar na posição de aprendiz da vida. Humildade para aprender as lições. Humildade pra parar de se julgar um deus.”
Roberto Shiniashyki
“Concentre-se em sua vocações e seus talentos e não se preocupe em agradar a ninguém. Viver para ser admirado pelos outros cria apenas fracasso e frustração.”
Roberto Shiniashyki
“Sempre acreditamos que existe algo chamado destino, porém sempre temos acreditado também, que existe livre arbítrio. O que diferencia os homens é o equilíbrio que encontram nesta contradição”.
Chesterton

“O homem é mortal por seus medos e imortal pelos seus desejos”.
Pitágoras

18 de janeiro de 2009

ESCOLHAS E RELAÇÕES FAMILIARES, IMPLICAÇÕES E CONSEQUENCIAS

Escolhas e relações familiares, implicações e conseqüências

Vivemos um tempo marcado por profundas, contínuas e aceleradas mudanças, pelo pluralismo de concepções em todas as áreas de conhecimento, pelos avanços científicos e tecnológicos em todos os campos de atuação humana, pela valorização cada vez maior da autonomia, da iniciativa, da criatividade e, naturalmente, por crises decorrentes dessa nova realidade. São tantas idéias circulando, são tantas tendências se confrontando, são tantos os produtos a nossa disposição que as escutas e as escolhas se transformaram em caminhos de incertezas, de perplexidades, de paradoxos, no dia a dia das pessoas. Dentro deste contexto, está a família e no seio dela está o casal com dois papéis a cumprir (pai e mãe, marido e mulher) e estão os filhos. Hoje existe uma variada bibliografia a respeito de como viver melhor o papel de pai e de mãe. E também outra variedade de livros que pretendem ensinar como manter saudável o relacionamento entre marido e mulher. Porém nunca estivemos tão perdidos em relação ao como agir, não temos muitas certezas em relação ao exercício destes papéis. A realidade atual tem nos mostrado que não temos tido muito êxito: muitos relacionamentos desfeitos e pais e filhos com muitas dificuldades: crianças que não lidam bem com as frustrações, adolescentes violentos e jovens com dificuldades de conquistar a sua autonomia em relação aos pais.

Ao refletir sobre essas questões me deparo com a minha experiência profissional e com a minha experiência como mãe e observo que há uma habilidade que não estamos conseguindo ensinar: a habilidade de escolher. Fazer escolhas; Talvez seja a tarefa mais difícil para o a sociedade neste momento. Pois é preciso escolher também o comprometimento com o outro e o exercício da paternidade e da maternidade. Serão escolhas que de certa forma moldarão o nosso destino, nos indicando um caminho.

No caso de escolhermos o papel de pais, temos que ter consciência da seriedade deste ato: uma vez que se opta por gerar um filho, vivemos uma responsabilidade da qual não poderemos abrir mão.

Segundo Bruno Bettelheim, a tarefa mais difícil na criação de uma criança é ajudá-la a encontrar significado na vida. Isso quer dizer que ao gerar um filho precisamos ajudá-lo a dar um sentido para a sua vida, algo que o faça querer crescer, querer viver. É preciso que ele possa sentir que a vida vale a pena ser vivida, é preciso ensiná-lo a enfrentar as dificuldades e frustrações da vida com tranqüilidade e fé. Será que essa é uma tarefa fácil? Respondo como mãe, mulher e profissional, que sou, que talvez seja o desafio mais importante das nossas vidas e também o mais difícil. Porque não nascemos “pais” e nem “mães”, nascemos “filhos”. Só nos tornamos pais diante do parto. A cada parto nasce não só um filho, com ele nasce também, um pai e uma mãe. A partir da experiência do parto, o filho é apresentado aos pais e os pais ao filho. Ali pode nascer uma relação amorosa baseada em troca de olhares e afetos. Esperamos que ocorra o amor a 1ª vista! Quem conseguiu entender a dimensão deste momento não consegue expressar o sentimento de olhar pela 1ª vez o seu filho e ao olhá-lo sentir algo tão grandioso! Como explicar a riqueza dos primeiros afagos, os primeiros toques, o prazer mútuo da amamentação?

A psicologia tem nos mostrado que, em grande parte a nossa experiência de filhos determinará a forma como exerceremos nossa paternidade e maternidade, aquilo que vivenciamos lá na 1ª infância, nos ajudará a exercer melhor este papel. Também nos ajudará a sermos marido e mulher, porque sim, são dois papéis muito diferentes e ao mesmo tempo complementares. É no seio das relações familiares que poderemos estar contribuindo ou não para a criação de pessoas mais felizes. Segundo o escritor Irvin D. Yalon, “O amor entre os pais gera amor amor pelos filhos, quanto mais se ama mais isso se reflete nos filhos e nos outros de uma forma afetuosa.

Portanto a primeira escolha e a mais significativa deveria ser a escolha da pessoa amada. Deveríamos pensar: “Escolho amar essa pessoa e com ela escolho ter os meus filhos”? Uma vez feita essa escolha, será definitiva, pois o casal (marido e mulher) poderá terminar, mas o pai e a mãe permanecerão. Pais e mães jamais se separarão, eles estão unidos por toda a eternidade. Querem ver como isso é verdade: existem quatro aspectos indissociáveis ao gerarmos um filho e que nos une para sempre. Um filho nos une do ponto de vista biológico, não podemos por ocasião do divórcio pedir os nossos gens de volta eles estarão unidos para sempre naquelas células e na sua descendência. Também não há como apagar o aspecto afetivo que gerou este filho foi um momento de amor ou de prazer, estamos falando de relações de “escolhas”, não se aplica a atos forçados. Para quem acredita na dimensão espiritual, Deus enviou uma alma para ser cuidada por um pai e uma mãe, e esta alma também está unida espiritualmente a do pai e a da mãe, por toda a eternidade. E se ainda assim não estão convencidos cito que do ponto de vista social, existe o registro de nascimento que estará para sempre marcado na história da humanidade.

Para concluir proponho que pensemos nas nossas escolhas e também proponho que em casa exercitemos o diálogo na tomada de decisões. Proponho que desde cedo as crianças sejam encorajadas a pensar nas suas escolhas, dentro das suas capacidades e possibilidades. Proponho também que façamos o exercício de escolher amar o nosso cônjuge todos os dias e conseqüentemente os nossos filhos. Creio que aí, pode estar um caminho mais fácil de percorrer.

SOBRE CPERS X GOVERNO

Tenho assistido a grande discussão em torno das reformas que o governo pretende realizar na educação e o posicionamento do sindicato representante no caso o CPERS, e não fico admirada que não haja consenso. A educação neste país, não está planejada para a discussão de ideias, essa não é uma experiência vivenciada no sistema educacional brasileiro, com raras exceções, que são sempre de sucesso, pois onde há tolerância há crescimento. A escola se preocupa com tantas coisas, mas dentre as preocupações não está a formação do senso crítico, da argumentação bem pensada e do discernimento. A escola, na maioria das vezes, nos enfia “goela abaixo” os saberes e pede as respostas “certas” nas avaliações, muitas vezes essas respostas, não são as únicas, porém o professor não admite que haja outras possibilidades de pensar e resolver problemas. Os professores estão cada vez mais despreparados, será que é porque ganham pouco? Duvido que essa seja a questão, porque os concursos públicos sempre são tão concorridos. Assim como duvido que o CPERS, represente a maioria dos professores do RS e suas ideias, conheço muitos professores que atuam no estado e o que eles mais gostariam era encontrar na escola colegas mais comprometidos com a proposta educativa. Claro que penso que o professor deve ganhar mais, assim como outros profissionais, tais como: psicólogos, médicos, advogados, publicitários, jornalistas em início ou não de carreira. Pode ser um chavão dizer que os professores ganham mal, mas ninguém fala das vantagens: carga horária, férias prolongadas, licenças prêmio e licenças de saúde, igualmente prolongadas. E dos problemas: aulas de pouca qualidade, problemas de falta de respeito com o aluno, greves que não ajudam em nada na resolução do problema. Quando o professor é agredido, no outro dia sai no jornal, mas quando é ele que agride? Quantas palavras ásperas são ditas, quanto preconceito, quanto falta de vocação...

Aqui estou falando da minha experiência como aluna que fui, do primário à pós graduação, da minha experiência como mãe, tenho três filhos, dois na universidade e um no ensino fundamental e como pedagoga; falo de experiências vivenciadas durante a minha vida, como aluna, mãe e gestora de escola de educação infantil. Sei que não é um problema simples, aqui estou fazendo a parte de “advogado do diabo”, mas de tudo que falei, há sempre um exemplo concreto, pelo menos a citar. Não sei se me faço entender, mas é um problema que se inicia lá na educação infantil, onde deveríamos ensinar as crianças a manifestarem suas ideias e a ouvir o grupo falar. Se bem ensinada essa habilidade de ouvir e respeitar o ponto de vista do outro será carregada ao longo da vida. Mas se ao contrário, encontramos pedagogias que ainda acreditam que criança “não tem querer” e que só um jeito certo de pensar, e de resolver problemas estaremos sempre parados no mesmo lugar. Existe em Portugal, uma experiência de escola pública bem sucedida, a escola da Ponte, na cidade do Porto. Já tive a oportunidade de escutar seu idealizador Jose Pacheco, falar sobre a escola, é algo fascinante, lá as crianças, as famílias e os professores participam de todas as decisões, falam e são ouvidos e respeitados. Foi um processo dolorido de implantação, deste sistema, porém hoje o resultado mostra que estavam no caminho certo. Portanto existe sim uma solução, porém é preciso abrir os olhos para novas possibilidades.

10 de janeiro de 2009

Um 2009 mais leve!

O ano: 2009.
Começamos um novo ano e me pergunto se este será pesado como 2008, ou mais leve?
Tento ver a numerologia para ver se há boas previsões, será o ano de qual bicho mesmo?
Tento me agarrar as supertições que pouco acredito: vesti branco, vi os fogos estourarem, fui à praia, só não pulei as sete ondinhas porque aí já era demais...
Fiz aquilo que julgava que me protegeria, ou aquilo que acho que poderia estar sob o meu controle.
Me dou conta agora, que não a possibilidade nenhuma de controlar nada a minha volta...
Eu preciso me entregar ao novo ano, sem medo...
Sem medo de ser feliz, infeliz, de esperar, de resolver, de amar, de odiar, de sentir raiva, sem medo de sentir...
Existem muitas coisas pela frente porém só me pertence o agora , os sentimentos que neste momento me invadem , são sem dúvida contraditórios, quero controle, quero descontrole...
Uma coisa tenho certeza que quero: a leveza de espírito e de corpo, quero me sentir mais leve. Mais leve de vaidade, de orgulho de preconceitos e de inutilidades que tornam a nossa vida mais pesada e mais difícil de viver...
Quero um 2009 carregado de esperança, amor, compreensão, bons trabalhos, boas amizades e principalmente: cheio de vida e tudo o que dela decorre: alegrias, tristezas, riso, choro, ganhos e perdas. E só peço que as últimas sejam suportáveis e enriquecedoras, por mais contraditório que isso pareça.